Saúde

Ter filhos pequenos protege famílias contra formas graves da Covid-19

Publicado em


Estudo indica que ter filhos pequenos em casa protege família da Covid-19
Pexels

Estudo indica que ter filhos pequenos em casa protege família da Covid-19


Além de manter o calendário vacinal em dia, há uma outra realidade surpreendente que pode oferecer proteção contra formas mais graves da Covid-19: ter filhos pequenos em casa. A descoberta faz parte de um estudo publicado na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences. Os autores explicam que a resposta para a menor incidência de hospitalizações entre aqueles com crianças de até cinco anos pode estar na infecção prévia por outros coronavírus mais brandos, que causam quadros de resfriado e podem oferecer uma proteção, ao menos contra desfechos severos, para a Covid-19 .

O trabalho foi conduzido por pesquisadores da organização americana de saúde Kaiser Permanente junto a cientistas da Universidade de Stanford e da Universidade de Columbia, ambas nos Estados Unidos. Eles analisaram dados de mais de três milhões de adultos, com ou sem filhos, até janeiro de 2021.

No final, constataram que adultos que não conviviam com crianças tiveram cerca de 15% menos infecções, porém níveis de hospitalização consideravelmente mais altos. Em comparação ao grupo de pais com filhos de até cinco anos, a necessidade de internação pela Covid-19 chegou a ser 49% maior. Quando avaliada a admissão em Unidades de Terapia Intensiva (UTI), foi até 75% maior.

Leia mais:  África do Sul estuda aplicar a vacina da AstraZeneca em etapas

“Nossas descobertas fornecem evidências epidemiológicas potenciais para sugerir a possibilidade de que a imunidade cruzada por coronavírus não-SARS-CoV-2 (que não causam a Covid-19) possa fornecer um nível de proteção contra doença grave da Covid-19”, escreveram os autores do estudo.



Isso porque os resfriados comuns, que são mais prevalentes em crianças pequenas, podem ser causados por uma ampla variedade de vírus respiratórios, como o adenovírus, o rinovírus e outros coronavírus. Embora da mesma família do Sars-CoV-2, patógeno responsável pela Covid-19, esses coronavírus são mais brandos e já circulavam antes da pandemia.

Os pesquisadores sugerem que o convívio com crianças de até cinco anos, e consequente maior risco de contaminação por esses coronavírus, pode ter levado ao desenvolvimento de uma imunidade que oferece algum nível de proteção contra o Sars-CoV-2.

Fonte: IG SAÚDE

Leia mais:  Covid: Pfizer pede à Anvisa para imunizar crianças de 6 meses a 4 anos

Comentários Facebook
Advertisement

Saúde

Brasil faz 8.850 testes de varíola dos macacos

Published

on

Até o momento, foram realizados cerca de 8.850 exames nos laboratórios de referência, em todo o Brasil, para comprovação de casos de varíola dos macacos, informou hoje (16) à Agência Brasil o Ministério da Saúde. O número de exames realizados diariamente varia de acordo com as notificações e a chegada das amostras aos laboratórios. O país acumula 2,8 mil casos da doença, espalhados por 22 estados.

Atualmente, oito unidades de referência realizam o diagnóstico, sendo quatro laboratórios centrais de Saúde Pública (Lacen), localizados nos estados de São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Distrito Federal, e mais quatro unidades de referência nacional, sendo duas da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) no Rio de Janeiro e no Amazonas; uma da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ); e uma no Instituto Evandro Chagas, no estado do Pará. Dessa forma, o ministério assegurou que “é possível garantir a cobertura do diagnóstico de todo o país”.

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, informou em entrevista ao programa A Voz do Brasil, na última sexta-feira (12), que todos os laboratórios centrais de saúde pública estarão aptos a fazer o teste do tipo RT-PCR para varíola dos macacos até o final de agosto.

Expansão

O coordenador do Laboratório de Virologia Molecular da (UFRJ), Amilcar Tanure, defendeu hoje, em entrevista à Agência Brasil, que sejam realizados mais testes e que o número de laboratórios aptos a realizar a testagem seja ampliado. “Eu acho que tem que aumentar isso, para que os pacientes tenham mais acesso. Além disso, como o vírus está dando lesões não tão exuberantes, a recomendação é que pessoas que desconfiem que seja varíola dos macacos procurem atendimento médico, uma unidade de pronto atendimento, e vão se testar”.

Leia mais:  Varíola do macaco: Ministério da Saúde confirma oitavo caso no Brasil

Tanure disse que é intenção da Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro criar dois locais para centralizar esses pacientes para coleta de amostras. Um dos centros de testagem funcionaria no Maracanã, na capital, e outro em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. “É muito importante expandir os locais de teste e de coleta e treinar os profissionais de saúde para fazerem uma coleta correta para o teste funcionar bem. Quanto mais a gente testar, mais vai conseguir isolar pessoas infectadas e bloquear a transmissão do vírus”.

A secretaria confirmou que vai abrir nas próximas semanas um posto para coleta de material para testagem de casos suspeitos de varíola dos macacos. O serviço será realizado apenas para pacientes encaminhados por unidades de saúde, após exame clínico. As amostras serão enviadas para análise no Laboratório de Enterovírus do Instituto Oswaldo Cruz e nos Laboratórios de Biologia Molecular de Vírus e de Virologia Molecular da UFRJ, que são referenciados pelo Ministério da Saúde no estado do Rio de Janeiro. Não foi informado, entretanto, onde será o local de coleta de material.

Leia mais:  São Paulo inicia vacinação de crianças de 3 e 4 anos nesta quarta (20)

Fundão

Amilcar Tanure acrescentou que a universidade também está tentando ampliar a testagem. “A gente está tentando abrir um sítio desses no Fundão, no mesmo local onde já atende pacientes com covid-19”, mencionou. Possivelmente, será localizado no mesmo prédio onde funciona o Núcleo de Enfrentamento e Estudos em Doenças Infecciosas Emergentes e Reemergentes da UFRJ, ligado à Faculdade de Medicina. O núcleo dá assistência aos pacientes e acompanhamento clínico para ver quando ocorre a melhora e diminuição das lesões.

O Laboratório de Virologia Molecular da UFRJ realizou até agora 1,3 mil testes de varíola dos macacos, a partir de amostras recebidas dos estados do Rio de Janeiro e Espírito Santo. A taxa de positividade de 40% foi considerada elevada pelo pesquisador. O laboratório faz o teste molecular para identificar o vírus que está na pele das pessoas. Até hoje, 368 casos foram confirmados no estado, de acordo com a Secretaria de Saúde

Edição: Aline Leal

Fonte: EBC Saúde

Comentários Facebook
Continue Reading

Saúde

6 hábitos que prejudicam o desempenho do cérebro

Published

on

6 hábitos que prejudicam o desempenho do cérebro
Redação EdiCase

6 hábitos que prejudicam o desempenho do cérebro

Alguns alimentos e hábitos do dia a dia podem auxiliar nas funções cognitivas cerebrais. Outros, porém, podem se transformar em grandes vilões e até potencializar a destruição dos neurônios. “A pessoa que não tem o hábito de realizar a primeira refeição matinal, no caso o café da manhã , estimula constantemente processos pontuais de hipoglicemia, que gera uma quantidade insuficiente de nutrientes ao cérebro, causando sua degeneração paulatinamente”, explica a nutricionista clínica esportiva Fernanda Alves.

Principais vilões para o cérebro

Ainda que vários hábitos e alimentos possam prejudicar o cérebro, alguns, em específico, são considerados os mais perigosos. “Os maiores vilões são o estresse , o álcool, as drogas, a má alimentação, a poluição e o cigarro. A alimentação rica em produtos industrializados, especialmente adicionados de corantes, aromatizantes e conservantes, também se mostra bastante nociva para o cérebro, inclusive para as crianças”, sintetiza a nutricionista Pérola Ribaldo. 

Cafeína também é prejudicial

A nutricionista Gabriela Taveiros explica que a ingestão excessiva de cafeína, presente no café, refrigerantes à base de cola, chocolate e alguns chás, como o mate, também é prejudicial, pois ela é um estimulante do sistema nervoso. 

Leia mais:  Conheça os três principais hábitos que ajudam a melhorar a imunidade

Outros h ábitos que também são perigosos 

A seguir, a nutricionista clínica esportiva Fernanda Alves lista alguns hábitos negativos para o cérebro! 

Consumo de alta quantidade de alimentos

O consumo exagerado de alimentos , principalmente dos industrializados, causa o endurecimento das artérias do cérebro, o que influencia na diminuição da capacidade mental. 

Nicotina

Os fumantes contam com os malefícios proporcionados pela nicotina, substância tóxica que tem como um dos sintomas a diminuição encefálica, com a aceleração da morte de alguns neurônios, o que facilita o aparecimento dos sintomas iniciais da doença de Alzheimer. 

Consumo excessivo de açúcar

O alto consumo de açúcar interrompe a absorção de proteínas e outros nutrientes, causando má nutrição e podendo interferir no desenvolvimento do cérebro. 

Noites de sono mal dormidas

Dormir pouco também é ruim. Isso porque o ato de dormir permite ao cérebro descansar. A falta de sono por períodos prolongados acelera a perda de células cerebrais. 

Poluição

O cérebro é o maior consumidor de oxigênio do corpo, por isso, inalar ar contaminado ou poluído diminui sua oxigenação, provocando uma diminuição da eficiência cerebral. 

Leia mais:  Covid-19: média móvel de óbitos fica em 103 neste sábado no Brasil

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue Reading

Parque Berneck – Várzea Grande

Política MT

Mato Grosso

Policial

Política Nacional

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana