Policial

Segunda Corrida Maria da Penha envolve comunidade de Barra do Garças pelo fim da violência doméstica

Publicado em

Assessoria | PJC-MT

A Segunda Corrida Maria da Penha, pelo fim da violência contra a mulher, foi realizada neste sábado (09), na cidade de Barra do Garças (500 km a Leste). O evento é uma das ações promovidas pela  Rede de Enfrentamento à Violência Doméstica contra a Mulher de Barra do Garças e Pontal do Araguaia, nas comemorações pelo Dia Internacional da Mulher (08 de Março).

O corrida, que conta com diversos parceiros, teve um total de 328 inscritos, que foram para as ruas cidade para ajudar no processo de conscientização do trabalho desenvolvido pela Rede de Frente, referente à violência contra a mulher.

As inscrições foram abertas em 01 de dezembro logo após o lançamento no portal da empresa paulista Chip Timing, que foi contratada pela organização para fazer as inscrições e garantir que a disputa tenha precisão e lisura nos seus resultados. A novidade deste ano foi o chip que cada participante recebeu, para ao final da prova saber o tempo do percurso. A corrida foi homologada pela Federação de Atletismo de Mato Grosso.

Leia mais:  Ex-policial envolvido na morte de advogado em Belém é preso em Balneário Camboriú

A premiação da corrida foi de R$ 16 mil reais,  em dinheiro. Também houve premiação para todas as faixas etárias, dos 14 anos até acima de 60. Para a corrida foram abertas 300 inscrições divididas em três lotes, com valores diferenciados.

O percurso foi de 5 km, com largada e de chegada em frente à Delegacia Especializada em Defesa da Mulher de Barra do Garças.

As inscrições tiveram um custo de 20 a 30 reais, do primeiro ao terceiro lote. 30% do valor das inscrições serão doados para a entidade Barra Mamma e o restante será usado nas atividades da Rede de Frente.

O ponto de largada e de chegada foi em frente à Delegacia Especializada em Defesa da Mulher de Barra do Garças.

Parceiros:

Poder Judiciário; Ministério Público; Defensoria Pública; Polícia Judiciária Civil; Polícia Militar; Politec; Corpo de Bombeiros;Prefeituras de Barra do Garças e Pontal do Araguaia, Secretarias Estaduais de Segurança Pública, Educação, Saúde, UFMT – Campus Universitário do Araguaia, Centro Universitário do Vale do Araguaia – UNIVAR, Faculdades CATHEDRAL, Faculdade Anhanguera, OAB, Barra Mamma – Associação de Voluntários no Combate ao Câncer em Barra do Garças e Região, Conselho Tutelar, UNIMED Araguaia, O Boticário, LevelUp Idiomas, Telarte Serigrafia e Garçastur.

Leia mais:  Polícia Civil prende homem que agrediu ex-companheira com chave de fenda em Várzea Grande

 

 

 

 

Comentários Facebook
Advertisement

Policial

‘Na noite de SP, é muito policial armado’, diz segurança de show em que Leandro Lo foi morto; 6 pessoas entraram com armas

Published

on

O chefe da segurança do evento em que o lutador Leandro Lo foi morto com um tiro na cabeça, Moisés Amorim, informou que seis pessoas, das cerca de 1.500 que estavam no show, se apresentaram como policiais ou agentes de segurança pública, fizeram um cadastro e entraram portando armas de fogo no local.

Segundo Amorim, todos os visitantes foram revistados na entrada do evento, mas o número de policiais de folga que levam armas em eventos noturnos tem sido cada vez maior nos últimos anos.

“Na noite de São Paulo, é muito policial armado”, disse ele.

De acordo com o chefe de segurança, 40 vigilantes estavam trabalhando no show do Pixote no Clube Sírio, na Zona Sul de São Paulo, na noite de sábado (6), quando ocorreu o crime. Não foram registradas outras confusões até o momento do disparo, segundo o segurança.

O tenente da Polícia Militar Henrique Veloso, autor do disparo, teria sido identificado rapidamente justamente por conta do cadastro.

Lutador Leandro Lo e o PM Henrique Velozo — Foto: Reprodução

Lutador Leandro Lo e o PM Henrique Velozo — Foto: Reprodução

No entanto, a lei federal nº 10.826, de 22 de dezembro de 2003, libera o porte de armas para policiais, mesmo de folga.

Apesar disso, o chefe de segurança do evento, Moisés Amorim disse que não concorda com essa determinação legal. Ele afirmou que, ao longo de 15 anos, já presenciou várias agressões por parte de policiais de folga.

“Eu mesmo já levei coronhada de policial em um evento. Fui intervir em uma confusão, o cara sacou a arma e levei uma coronhada na cara, mas poderia ter sido um tiro”, declarou.

“A gente já sabe que eles nunca guardam [a arma], estou há muitos anos na área, já teve muito problema com isso. Já teve caso de policial chamar viatura para a gente, conheço seguranças que foram chamados à delegacia para se explicar”, completou Amorim.

Entenda o caso

Justiça mantém prisão temporária do PM que matou campeão mundial jiu-jítsu Leandro Lo

Justiça mantém prisão temporária do PM que matou campeão mundial jiu-jítsu Leandro Lo

Imagens do circuito interno do clube gravaram a saída dos frequentadores do show que ocorria no local após o campeão mundial de jiu-jítsu Leandro Lo Pereira do Nascimento, de 33 anos, ser baleado durante o evento.

Após os tiros, Leandro Lo foi socorrido e levado ao Hospital Municipal Arthur Saboya, no Jabaquara, também na Zona Sul, mas não sobreviveu. Testemunhas filmaram o resgate ao lutador, que foi levado em uma maca pelos corredores do clube.

Em nota, o Esporte Clube Sírio disse que “aluga seus espaços de eventos para terceiros” e que, “ao alugar, a segurança é de responsabilidade do contratante”.

Leandro Lo foi campeão mundial de jiu-jítsu por oito vezes. A última conquista, na categoria meio-pesado, foi em 2022; a primeira, em 2012, na categoria peso-leve. Lo iria disputar nos Estados Unidos mais um campeonato nos próximos dias, com outros quatro lutadores, segundo um amigo.

fonte –  g1

Comentários Facebook
Continue Reading

Policial

Perseguição policial após tentativa de assalto termina com prisão e acidente em Montes Claros

Published

on

Um homem foi conduzido à delegacia após uma tentativa de assalto nas proximidades do bairro Ibituruna, em Montes Claros, nesta terça-feira (9). Segundo a Polícia Militar, criminosos tentaram levar o carro de uma mulher, mas foram surpreendidos pelo marido dela, que vinha logo atrás em outro veículo.

Durante a fuga, os autores, que seguiam em outro automóvel, ainda atropelaram uma mulher e bateram na mureta de proteção de uma avenida. Além do homem que foi conduzido, outros dois suspeitos estavam sendo procurados pela PM até a publicação desta reportagem. A polícia não detalhou a participação de cada um dos envolvidos para não atrapalhar as diligências.

“A esposa chegou, estacionou o carro, travou e entrou para ir para a academia. Quando o marido chegou logo atrás para estacionar, deparou com outro cidadão dentro do carro dela. Ele abordou o cidadão, que meteu a mão na cintura, simulando estar armado, e evadiu logo após, não cometendo o roubo naquele momento”, explica o sargento João Carvalho de Miranda.

“Na fuga, enquanto as viaturas estavam em rastreamento, o cidadão perdeu o controle direcional e atropelou uma senhora”, completa o policial.

A mulher teve fratura e foi socorrida pelo Corpo de Bombeiros.

Em seguida, conforme o sargento, o motorista do carro em fuga ainda bateu em uma mureta de proteção no cruzamento das avenidas Vicente Guimarães e Raul Corrêa.

João Carvalho de Miranda chama atenção para um dispositivo que foi encontrado no automóvel utilizado pelos autores e que provavelmente foi usado na tentativa de assalto.

“Eles usam um bloqueador que funciona da seguinte forma: o cidadão chega para estacionar o seu carro e o autor pega, aperta e aciona a luzinha, o dono clica para travar o carro e não confere a porta, que continua aberta. O infrator espera a ausência do proprietário e assim que ele sai das vistas do seu bem, eles entram e conseguem furtar.”

fonte – g1

Comentários Facebook
Continue Reading

Parque Berneck – Várzea Grande

Política MT

Mato Grosso

Policial

Política Nacional

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana