Policial

Projetos sociais promovem diálogos de prevenção ao Cyberbullying em escola

Publicado em

Assessoria | PJC-MT

Alunos de 15 turmas do Instituto Federal de Várzea Grande participaram na quinta-feira (21.02), de palestra sobre a violência cometida pelas redes sociais, o chamado “Cyberbullying”. O bate papo com 388 estudantes foi promovido pela Coordenadoria de Polícia Comunitária, por meio dos projetos sociais “De bem com a vida”, “De Cara Limpa contra as Drogas” e “Rede Digital pela Paz”.

Ações fazem parte da campanha “retorno às aulas com segurança”, inserida na agenda de atividades dos projetos sociais da Polícia Civil.

O “Cyberbullying” que é um tipo de violência praticada contra pessoas por meio das redes sociais ou de outras tecnologias relacionadas. Para o gerente do projeto social Rede Digital pela Paz, Edmir Sena, o bullying pode se manifestar por violência física, mas também através de formas relacionais, ou seja, com ameaças, acusações injustas e indiretas, roubo de dinheiro e pertences, difamações sutis, degradação da imagem social, entre outros, resultando na discriminação ou exclusão de vítimas do grupo.

Além disso, sua manifestação pode ocorrer também no ciberespaço, seja por aplicativos, e-mails contendo mensagens agressivas diretamente à vítima até a disseminação de imagens, vídeos ou comentários difamatórios a uma ampla rede de pessoas. “Praticar cyberbullying significa usar o espaço virtual para intimidar e hostilizar uma pessoa (colega de escola, professores, ou mesmo desconhecidos), difamando, insultando ou atacando de forma covarde”, destacou o investigador e educador.

Leia mais:  “Morreu sem ter feito nada”, diz irmão de médico morto por policial em boate

A estratégia de abordagem do tema com os alunos foi a do diálogo formativo, que  permite o compartilhamento e discussão de narrativas no coletivo com os alunos,  com uso de táticas como o jogo de falas, de perguntas e respostas presentes nas manifestações que permitem situar a discussão cada vez mais crítica e reflexiva sobre o tema.

O gerente do projeto De Bem Com a Vida, Ademar Torres, disse que o diálogo formativo é construído e guiado pelo policiais com informações objetivas sobre o tema cyberbullying e pelo contraste de opiniões com os participantes do grupo.

“A importância das reflexões conjuntas no coletivo é buscar orientar os alunos diante do contexto de uma sociedade contemporânea, individualista, competitiva que reforça a banalização de valores éticos, as noções de respeito ao outro, uma vez que os agressores são aqueles que vitimizam os mais fracos, as vítimas por sua vez sofrem os maus tratos e a exclusão do grupo”, pontua

Para a coordenadora do curso técnico de logística, Saiane Zarista, a atuação dos projetos sociais da Polícia Civil no instituto com o diálogo, possibilita reverter quadros que poderiam ser prejudiciais.

Leia mais:  Redução de feminicídio íntimo é um dos maiores desafios

“Percebemos que o entendimento sobre o cyberbullying e sua ocorrência em ambientes extraclasse, geram implicações para os usuários das redes sociais é muito pequeno e muitos de nossos alunos não tinham essa dimensão”, relatou.

Para o Coordenador de Polícia Comunitária, delegado Gênison Brito Alves Lima, o fenômeno o cyberbullying é uma atividade atual e preocupante, fazendo parte do cotidiano de muitas pessoas e usuários de internet, de forma mais específica nas redes sociais.

“Nossos projetos estão engajados no trabalho para minimizar esta violência no contexto escolar por meio de medidas eventuais, como palestras, capacitações, grupo de discussões, com os demais atores envolvidos na tarefa ampla de ensinar-aprender”, finalizou.

Comentários Facebook
Advertisement

Policial

Criança de 10 anos morre em acidente causado por policial de folga

Published

on

Uma criança de 10 anos morreu após uma colisão seguida de capotamento. Um Fiat Uno de cor branca se chocou com um Hyundai i30 de cor preta na madrugada desta terça-feira (16/8). O acidente ocorreu na Estrada Parque Núcleo Bandeirante (EPNB) no começo da madrugada próximo à passarela, sentido Riacho Fundo. A Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) confirmou ao Correio que o oficial da corporação, Carlos Roberto de Carvalho Neto, 26 anos, — de folga —, causou o acidente. Ele se recusou a fazer o teste do bafômetro.

À reportagem, a corporação informou que o condutor foi autuado por recusa e, na delegacia, como constatou ser um crime, foi levado para o Instituto de Medicina Legal (IML), onde não se constatou a embriaguez.

Outro passageiro do veículo, um homem de 41 anos, saiu ileso, mas foi transportado para a mesma unidade de saúde com crise nervosa. A motorista, 40, também foi levada ao Hospital de Base, com dor no quadril e na perna esquerda, consciente e orientada.

O Hyudai I30 de cor preta era conduzido por Carlos Roberto de Carvalho Neto, que saiu ileso da colisão. O Corpo de Bombeiros Militar do DF (CBMDF) atendeu a ocorrência à 0h55 desta terça-feira com quatro viaturas e 15 militares. Em seguida, o local ficou aos cuidados da Polícia Militar do DF (PMDF).

Leia mais:  Homem é preso por crime ambiental após ser flagrado queimando fios de energia

A Polícia Militar acrescenta que foi acionada à 1h31, desta terça-feira (16/8), para atender a ocorrência de acidente de trânsito com vítima na EPNB. O policial que causou o acidente foi autuado por recusa de fazer o teste do bafômetro. Em seguida, os policiais levaram o condutor do veículo à 27ª Delegacia de Polícia (Recanto das Emas). Após o acidente, os veículos foram liberados no local pela perícia.

Em nota, a PMDF alega que crimes de trânsito são crimes comuns, não militares, e descartou a possibilidade da Corregedoria-Geral da corporação investigar Carlos Roberto, que é soldado da Polícia Militar desde 2019. “Por isso, a investigação é feita pela Polícia Civil e (foi) encaminhada à Justiça”, comunica.

fonte – cb

Comentários Facebook
Continue Reading

Policial

Policial flagrado agredindo casal em praça de MG é afastado das atividades, diz PM

Published

on

O policial militar flagrado agredindo um fazendeiro de 23 anos e a namorada dele de 18 anos, na noite da última sexta (12) em uma praça na cidade de Paineiras, foi temporariamente afastado das atividades. A informação foi confirmada ao g1 nesta segunda-feira (15) pela Polícia Militar (PM).

De acordo com a corporação, a medida faz parte do processo de investigação do caso e visa garantir a lisura da apuração dos fatos. Nas redes sociais, o governador Romeu Zema (Novo) comentou o caso.

O caso

Um vídeo feito por um colega da vítima e que circulou nas redes sociais, mostra o momento em que o rapaz é abordado e imobilizado por dois policiais. Ele é jogado no chão, enquanto um dos militares segurava as pernas dele o outro o agredia com uma série de socos. A namorada dele tentou intervir, mas também acabou recebendo um tapa na cara do policial, e ambos foram encaminhados para a delegacia.

O autor do vídeo, de 26 anos, também chegou a ser encaminhado para a delegacia. Tanto ele quanto o casal foram ouvidos e liberados.

‘Iam me matar’

Marcos mostra ferimentos causados após ser agredido por policiais militares em Paineiras  — Foto: Marcos Mendonça/Arquivo Pessoal

Marcos mostra ferimentos causados após ser agredido por policiais militares em Paineiras — Foto: Marcos Mendonça/Arquivo Pessoal

Em entrevista ao g1o fazendeiro Marcos Mendonça, de 23 anos, desabafou sobre o caso: “me bateram até eu ficar desacordado, iam me matar”. Ele contou que mora em Belo Horizonte, mas estava de passagem em Paineiras, onde tem uma fazenda de criação de gado.

“Não foi eu. E quando fui saber porque estavam me prendendo, eles já me jogaram por cima da minha namorada, me derrubaram e começaram a me dar muitos socos, inclusive, quando eu já estava imobilizado. Eles me machucaram demais, a ponto de me desmaiar. Estava desmaiado e apanhando, iam me matar. Minha namorada entrou pra tentar me ajudar e ainda deram um soco no rosto dela”, relatou.

Depois disso, Marcos lembra que se levantou, mesmo com dificuldades, quando ele e a namorada foram levados para a viatura.

“Dentro da viatura eles me deram mais uns tapas e fecharam a posta na minha perna. Depois, nós fomos para o hospital fazer corpo de delito e, em seguida, me levaram para Bom Despacho, na delegacia da Polícia Civil. Eu fiquei algemado o tempo todo. Estava atrás da viatura, sangrado. Eu poderia ter tido uma fratura e ter morrido lá atrás e nem iam perceber. Bateram muito na minha cabeça”contou.

Na delegacia, Marcos afirmou que ficou algemado na cela até a chegada do advogado, momento em que foi liberado pelos policiais.

“Deveriam estar protegendo a população. Agora estou com dor em todo corpo e meu rosto está destruído. Como se não bastasse, minha namorada também está com hematomas”, finalizou.

Zema comenta fato

Nas redes sociais, o governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), comentou o ocorrido, dizendo que tomou conhecimento de uma denúncia de uma pessoa soltando bombas na praça de Paineiras.

“Confio na seriedade e prontidão da nossa PMMG, que está apurando os fatos e tomará as medidas necessárias para coibir atos de violência, seja quem for o agressor”.

Vídeo

Tudo começou quando militares foram até a praça apurar a denúncia de que havia uma pessoa soltando bombas no local, próximo a crianças. A PM disse que ao abordar o jovem ele resistiu e por isso foi necessário a intervenção. Entretanto, a ocorrência não deixa claro se o rapaz era o alvo da denúncia.

Nas imagens que circulam na internet, é possível ver uma discussão entre os dois policiais e Marcos. Depois, o rapaz é derrubado e agredido.

Um dos militares imobiliza Marcos pelas pernas, enquanto o outro golpeia o rosto dele com vários socos. Ele ainda tenta se proteger com as mãos, mas a agressão continua.

Em determinado momento do vídeo, a namorada de Marcos tenta ajudá-lo, mas também é agredida por um dos policiais com dois socos no rosto. Em seguida, ela cai no chão.

Outras pessoas se aproximam da confusão e os policiais algemam o homem, que aparentemente ficou desacordado.

O que diz a PM

Em nota, a PM informou que na noite de sexta-feira (12) foi acionada diversas vezes por moradores com a denúncia de que havia um homem soltando bombas em uma praça, próximo a crianças.

Conforme Boletim de Ocorrência registrado, ao ser abordado, o homem resistiu e, por isso, houve necessidade da intervenção policial. A nota não menciona a agressão à mulher que também aparece na imagem sendo agredida.

A PM esclareceu ainda que após conhecimento das imagens enviadas à instituição, foi instaurado, de imediato, um procedimento para apuração criteriosa dos fatos e adoção das medidas cabíveis.

fonte – g1

Comentários Facebook
Continue Reading

Parque Berneck – Várzea Grande

Política MT

Mato Grosso

Policial

Política Nacional

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana