Sem categoria

Presidente do BNDES defende corte gradual dos subsídios à agricultura

Publicado em



Marcelo Camargo/Agência Brasil

“O ‘desmame’ [dos subsídios à agricultura] tem que acontecer”, enfatizou Joaquim Levy, atual presidente do BNDES

O presidente do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) e ex-ministro da Fazenda, Joaquim Levy, defendeu o que chamou de “desmame” do setor agrícola quanto aos subsídios concedidos pelo governo federal. O discurso foi feito nesta terça-feira (26), em São Paulo, durante a 20º CEO Brasil 2019 Conference, organizada pelo banco BTG Pactual.

Leia também: Pressionado, governo pode rever corte de subsídios nas contas de luz

“A ideia é de que o ‘desmame’ tem que acontecer. O ‘desmame’ tem que acontecer”, enfatizou o presidente do BNDES
. A fala de Levy foi uma resposta à declaração da ministra da Agricultura, Tereza Cristina, feita em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo
no último dia 11. Na ocasião, a ex-deputada disse que o corte radical nos subsídios poderia desarrumar o agronegócio, que responde por 20% do PIB (Produto Interno Bruto) do País.

Para embasar sua opinião, o ex-ministro citou as distorções causadas pelos subsídios agrícolas, como as pedaladas fiscais
, por exemplo, que causaram um passivo bilionário que precisou ser devolvido ao Tesouro Nacional. “Tem R$ 20 bilhões de pedaladas, R$ 20 bilhões de crédito rural que não tinha sido pagos e que devolvemos”, destacou Levy.

Leia mais:  “BBB 20”: Prior é acusado de estupro e uma de tentativa de estupro, diz revista

O presidente do BNDES ainda afirmou que o banco, ao financiar máquinas para a agricultura, se tornou “o parceiro número um do aumento da produtividade” no setor, e que “ninguém se toca” disso. Como exemplo, Levy citou a cultura da cana de açúcar. “Algumas áreas do setor eram pastagens, que passaram a ser usadas para plantação mecanizada. As áreas com um setor sucroalcooleiro moderno criaram classe média
que não existia”, apontou.

Leia também: Comissão aprova por unanimidade indicação de Roberto Campos Neto ao BC

Ao ser questionado sobre a crise que posteriormente atingiu o setor, marcada pelos pedidos de recuperação judicial e o fechamento de dezenas de unidades produtoras de açúcar e etanol, o ex-ministro foi pragmático. “Se não funcionou, não funcionou. Temos que ser absolutamente capitalistas. É a perda do capital do investidor”, concluiu.

Empréstimos à Venezuela


A recuperação dos empréstimos concedidos à Venezuela, segundo Joaquim Levy, é uma das prioridades do BNDES
Reprodução/Twitter

A recuperação dos empréstimos concedidos à Venezuela, segundo Joaquim Levy, é uma das prioridades do BNDES

Durante o evento em São Paulo, Levy também comentou sobre as dívidas da Venezuela
com o BNDES. A recuperação dos empréstimos concedidos ao país vizinho, segundo o presidente, é uma das prioridades do banco. “Há alguns empréstimos pagos, outros nem tanto. Mas a [questão da] Venezuela vai envolver uma grande negociação internacional que deve acabar no Clube de Paris. Vamos ver”, comentou.

Leia mais:  Bruna Linzmeyer anuncia fim de namoro com Priscila Fiszman

Reforma da Previdência


Para Joaquim Levy, a reforma da Previdência é fundamental para criar um ambiente fiscal estável e atrair investidores
Marcelo Camargo/Agência Brasil

Para Joaquim Levy, a reforma da Previdência é fundamental para criar um ambiente fiscal estável e atrair investidores

Para Levy, mudar o atual sistema previdenciário do País é fundamental para criar um ambiente fiscal estável e atrair investidores estrangeiros para a infraestrutura. “A reforma [da Previdência] é importante para dar estabilidade e atrair o investidor. Só assim terei parceiro do setor privado para financiar projetos comigo”, avaliou o ex-ministro.

Leia também: Tramitação da reforma vai atrasar sem proposta para militares, diz Rodrigo Maia

O presidente do BNDES
ainda acrescentou que trazer previsibilidade fiscal é o que vai possibilitar que o mercado brasileiro assuma riscos mais longos.  “O sistema só destrava com previsibilidade fiscal, que começa com a Previdência. Se tiver reformas setoriais, estas são também indispensáveis”, completou Joaquim Levy.

Comentários Facebook
Advertisement

Política VG

Vereador/VG se “despede” de entidade; sai a Federal e mira votação histórica de Curvo

Published

on

Pré-candidato à Câmara Federal pelo PSB, o Vereador por Várzea Grande, Bruno Lins Rios se licenciou da UCMMAT (União das Câmaras de Mato Grosso), para alçar vôo  mais alto. Empossado na entidade em 2021, Rios terá pela frente dois adversários de peso no partido, sendo a primeira-dama de Rondonópolis, Neuma de Morais e o Deputado Estadual, Alan Kardec. O vereador poderá se engajar exclusivamente como representante de Várzea Grande, já que outro pretendente ao mesmo cargo, o Vereador Rogerinho Dakar (PSDB), vê sua sigla “derretendo”. A idéia de Bruno é “bombar” na cidade industrial, para isso vêm se cacifando financeiramente e logicamente formar dobradinhas, dentre as metas, uma delas é aproximar da histórica votação em 2006 do ex-vereador Chico Curvo, batendo 37 mil votos.

 

 

fonte Oempallador

Comentários Facebook
Leia mais:  Morre Walter Mercado, astrólogo que ficou famoso pelo bordão  “Ligue djá!”
Continue Reading

Sem categoria

Datafolha: 55% dizem que não votam em Bolsonaro de jeito nenhum

Published

on


source
Datafolha: 55% dizem que não votam em Bolsonaro de jeito nenhum
Marcelo Camargo/Agência Brasil – 08.03.2022

Datafolha: 55% dizem que não votam em Bolsonaro de jeito nenhum

Dentre os pré-candidatos ao Palácio do Planalto,  o presidente Jair Bolsonaro é o que apresenta o maior índice de rejeição, aponta pesquisa Datafolha divulgada nesta quinta-feira: 55% dos entrevistados afirmam que não votariam nele de jeito nenhum. O desempenho é melhor que o apresentado na última pesquisa do instituto, quando essa porcentagem chegou a 60%. As duas pesquisas, contudo, não são diretamente comparáveis, já que houve mudanças na lista de candidatos.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) é quem ocupa a segunda colocação no ranking, com rejeição de 37%. Na sequência, vêm o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), com 30%; o ex-juiz Sergio Moro (Podemos), com 26%; e o ex-governador Ciro Gomes (PDT), que registrou 23% no índice.

Em um segundo bloco, com números menores, estão o governador do Rio Grande do Sul Eduardo Leite (PSDB), com 14%; Vera Lúcia (PSTU), que registrou 13% de rejeição; Simone Tebet (MDB) e Leonardo Péricles (UP), ambos com 12%; e Felipe D’Ávila (Novo), que marcou 11%.

Leia mais:  “BBB 20”: Prior é acusado de estupro e uma de tentativa de estupro, diz revista

Leite, que perdeu nas prévias do PSDB para o governador João Doria, avalia um convite do PSD para concorrer à Presidência, além da possibilidade de concorrer pelo próprio PSDB no lugar de Doria — hipótese estimulada por aliados.

Leia Também

A baixa rejeição a nomes do segundo bloco, no entanto, passa também pelo grau de conhecimento desses pré-candidatos entre os eleitores. Lula é o mais conhecido pelos entrevistados: 99% disseram saber quem ele é. O presidente Jair Bolsonaro tem índice de 98%, enquanto 90% afirmaram conhecer Sergio Moro. Ciro Gomes tem 89% de conhecimento e Doria, 80%.

Dos entrevistados, 42% dizem conhecer o governador Eduardo Leite, 31% conhecem Vera Lúcia e 30%, Felipe D’Ávila. A senadora Simone Tebet registra índice de 28%, enquanto Leonardo Péricles tem 20% de conhecimento.

O Datafolha ouviu 2.556 eleitores em 181 municípios de todo o país entre terça e quarta-feira desta semana. A pesquisada foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o protocolo BR-08967/2022. O nível de confiança do levantamento – isto é, a probabilidade de que ele reproduza o cenário atual, considerando a margem de erro – é de 95%.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.

Comentários Facebook
Continue Reading

Parque Berneck – Várzea Grande

Política MT

Mato Grosso

Policial

Política Nacional

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana