conecte-se conosco


Esportes

Messi conquista Bola de Ouro pela sexta vez

Publicado

O atacante argentino Lionel Messi recebeu nesta segunda (2), em Paris, da prestigiosa revista francesa France Football, a Bola de Ouro, prêmio concedido ao melhor jogador de futebol do mundo.

Com o troféu recebido nesta segunda, Messi chega ao total de seis Bolas de Ouro (2009, 2010, 2011, 2012, 2015 e 2019), deixando para trás o português Cristiano Ronaldo, que tem 5 títulos.

O argentino superou na disputa o zagueiro holandês Van Dijk (Liverpool), que ficou em segundo, e o português Cristiano Ronaldo (Juventus), terceiro colocado.

Futebol Soccer - Os prêmios Ballon d'Or - Theatre du Chatelet, Paris, França - 2 de dezembro de 2019 Lionel Messi, do Barcelona, ​​com seus seis troféus de Ballon d'Or REUTERS / Christian Hartmann

Messi e suas seis Bolas de Ouro – REUTERS / Christian Hartmann/direitos reservados

Segundo a France Football, Messi recebeu o prêmio por ter números como: 45 gols pelo Barcelona em 2019, conquista do Campeonato Espanhol 2018/2019, 114 gols em 140 jogos da Liga dos Campeões e 613 gols em 701 jogos pelo Barcelona.

Messi já havia sido escolhido como melhor do mundo pela Federação Internacional de Futebol (Fifa), e recebeu o prêmio The Best em setembro.

Leia mais:  Nova realidade financeira tira Valinhos da elite da Superliga feminina

Melhor goleiro do mundo

O único brasileiro a ser premiado na festa foi Alisson (Liverpool). Ele foi escolhido como melhor goleiro do mundo, superando na disputa o alemão Ter Stegen (Barcelona), segundo colocado, e o brasileiro Ederson (Manchester City), terceiro.

Futebol Futebol - Os prêmios Ballon d'Or - Theatre du Chatelet, Paris, França - 2 de dezembro de 2019 Alisson Becker do Liverpool com o Troféu Yachine REUTERS / Christian Hartmann

Alisson foi o único brasileiro premiado pela France Football – REUTERS / Christian Hartmann/direitos reservados

Premiação feminina

Entre as mulheres o título de melhor jogadora foi para a norte-americana Megan Rapinoe. Ela foi escolhida após um ano brilhante, no qual se destacou na Copa do Mundo de Futebol Feminino. Na competição disputada na França, ela foi escolhida a melhor jogadora, além de garantir a artilharia.

Futebol Futebol - Os prêmios Ballon d'Or - Theatre du Chatelet, Paris, França - 2 de dezembro de 2019 Megan Rapinoe dos Estados Unidos vence o Ballon d'Or feminino e agradece na tela REUTERS / Christian Hartmann

Rapinoe envia mensagem de agradecimento – REUTERS / Christian Hartmann/direitos reservados

A brasileira Marta (Orlando Pride) era uma das finalistas nesta categoria.

Em 2019, Rapinoe já havia vencido o prêmio The Best, concedido pela Fifa.

Destaque sub-21

Futebol Futebol - Os prêmios Ballon d'Or - Theatre du Chatelet, Paris, França - 2 de dezembro de 2019 Kylian Mbappe do Paris St Germain com o vencedor do troféu Kopa Juventus 'Matthijs de Ligt REUTERS / Christian Hartmann

Holandês De Ligt fala após receber prêmio de melhor sub-21 – REUTERS / Christian Hartmann/direitos reservados
Leia mais:  Fifa adia início das eliminatórias sul-americanas para outubro

Quem também foi premiado foi o zagueiro holandês De Ligt (Juventus). A escolha se deu graças à excelente temporada que o defensor fez no Ajax na última temporada. Nesta categoria um brasileiro foi indicado, o atacante Vinícius Júnior (Real Madrid).

Edição: Fábio Lisboa

Comentários Facebook
publicidade

Esportes

Debate aborda desafios do futebol feminino nacional pós-pandemia

Publicado


.

O presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Rogério Caboclo, confirmou no início dessa semana o retorno da Série A1 do Brasileiro Feminino para o dia 26 de agosto. Sem jogos desde o dia 15 de março, muitas das 16 equipes que fazem parte da competição tiveram mudanças significativas nos planteis, e várias ainda nem tem previsão do reinício dos treinamentos. Ou seja, a tendência é que a volta dos jogos seja marcada por muitas dificuldades na principal competição do futebol feminino do país. Esse cenário de incertezas será o tema do encontro “O futuro do Futebol Feminino Pós-Pandemia”, promovido pelo Museu do Futebol de São Paulo no próximo sábado (11). A iniciativa vai ser transmitida a partir das 20h pelos perfis das redes sociais do Museu.

Nomes de destaque da modalidade estarão presentes ao bate-papo. Uma delas é a Aline Pellegrino, diretora de futebol feminino da Federação Paulista de Futebol. “Momento importante e relevante para as pessoas entenderem um pouco mais aquilo que vamos enfrentar nos próximos meses. Teremos cenários nos quais algumas equipes enfrentarão dificuldades maiores, e outros cenários com times passando por problemas um pouco menores. Mas, sem dúvida, vai ser uma realidade que exigirá muita atenção de todos”, disse à Agência Brasil a ex-jogadora da seleção brasileira.

Leia mais:  Debate aborda desafios do futebol feminino nacional pós-pandemia

Também farão parte do debate Emily Lima (ex-técnica da seleção brasileira e atual comandante da seleção equatoriana), Duda Luizelli (coordenadora técnica de futebol feminino do Internacional), Solange Bastos (ex-jogadora da seleção brasileira e atual auxiliar técnica do Bahia) e Amanda Storck (gerente de futebol feminino do Fluminense). A mediação será da jornalista Elaine Trevisan.

Na sequência, às 21h30, dentro do programa Cinema na Rede, está prevista a exibição de dois curtas-metragens dirigidos por Cristiano Fukuyama, Luiz Nascimento e Edson de Lima.

Edição: Fábio Lisboa

Comentários Facebook
Continue lendo

Esportes

Nova realidade financeira tira Valinhos da elite da Superliga feminina

Publicado


.

O Valinhos, equipe do interior de São Paulo, informou à Confederação Brasileira de Vôlei (CBV) que não terá condições de continuar na elite da Superliga feminina para a temporada 2020/2021. O time, mesmo tendo sido rebaixado dentro de quadra, com apenas quatro vitórias em 22 jogos, havia sido convidado pela CBV para seguir na Série A após o Itajaí, que tinha conseguido o acesso na quadra, confirmar que não vai participar da primeira divisão.

O prazo para essas confirmações encerrou-se no dia três de julho. A alegação do time paulista é de que ele não conseguiu apresentar as garantias financeiras necessárias para conseguir fazer um bom campeonato. “Por dificuldades herdadas de anos anteriores, quitação de algumas situações e pela dificuldade em conseguir novos patrocínios em tempo hábil por caso da pandemia do covid-19 e para não fugirmos da nossa missão de manter o vôlei vivo na cidade, preferimos colocar os pés no chão e trabalhar com o que já conseguimos para fazer um bom campeonato na Superliga B e voltar com mais força no próximo ano”, comentou à Agência Brasil o diretor adjunto de modalidades, Rafael Enderle.

Leia mais:  Revisão libera capital, grande SP e Baixada Santista para Paulistão

Edição: Fábio Lisboa

Comentários Facebook
Continue lendo

Parque Berneck – Várzea Grande

Política MT

Mato Grosso

Policial

Política Nacional

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana