Sem categoria

“Foram meses no hospital com anorexia, hoje ajudo mulheres a amarem seus corpos”

Publicado em

O que começou com uma dieta se transformou em um grave transtorno alimentar que quase levou a influenciadora digital Megan Crabbe à morte. Em busca de um corpo “perfeito”, ela desenvolveu uma anorexia e só conseguiu reverter à situação ao encontrar no Instagram uma onda de mulheres que amam o seu corpo do jeito que ele é.

Leia também: “Body positive”: Jovem inspira mulheres a se aceitarem com fotos empoderadas


Megan Crabbe sofreu com a anorexia, mas conseguiu superar isso ao se deparar com o termo
Reprodução/Instagram

Megan Crabbe sofreu com a anorexia, mas conseguiu superar isso ao se deparar com o termo “body positive”


Segundo informações do portal britânico “The Sun”, Megan, que atualmente tem 23 anos, começou a se preocupar com o corpo ainda na infância. “Tudo começou na escola primária quando eu sabia que era mais gordinha do que todos os outros. Muito jovem eu já absorvi a ideia de que ser gordo é ruim e eu levei essa mensagem para o coração”, diz a influenciadora digital que superou a anorexia
.

Aos 12 anos, Megan só comia cereais na hora das principais refeições e conforme o distúrbio alimentar foi progredindo ela passou a comer apenas algumas frutas por dia. Os pais dela, Amanda e Biff, ficaram extremamente preocupados e quando levaram a filha ao médico descobriram o que estava acontecendo: ela estava com anorexia. A jovem foi encaminhada ao psicólogo, mas mesmo assim continuou perdendo peso.

“Minha menstruação parou, meu cabelo começou a cair e eu sentia frio o tempo todo. Eu estava comendo quase nada e lutando contra o vício de fazer exercícios para tentar perder mais peso”, lembra Megan. “Eu não achava que alguma coisa estava errada. Mas as coisas ficaram tão ruins que meu pai me levou para a unidade de psiquiatria infantil e passei os próximos dez meses dentro e fora da enfermaria.”


Após a influenciadora digital ser colocada de repouso e passar a se alimentar por sonda, os médicos recomendaram que os pais começassem a dizer adeus à filha, pois os especialistas acreditavam que os órgãos de Megan, que não estavam funcionando bem, não iam se recuperar.

“Meu pai olhou para mim e começou a chorar. Foi quando eu soube que tinha que mudar pela minha família – foi então que comecei a me alimentar com comida e parei de me exercitar para não emagrecer”, conta Megan. Ela até conseguiu ficar fisicamente saudável, mas a mente estava longe de se recuperar e, com isso, passou a adolescência toda fazendo dietas e sofrendo com o efeito sanfona.

Leia também: “Body positive”: influenciadora rebate crítica sobre pessoas gordas na academia

“Eu troquei anorexia por compulsão alimentar”, explica ela. “Comecei a viver em um ciclo de dieta
e compulsão, perdendo e ganhando peso. Mas em ambos os lados do espectro, meu corpo nunca foi bom o suficiente. Mesmo quando atingia meu peso ideal, eu olhava no espelho e achava que precisava perder mais dez quilos. Sempre quis mudar alguma coisa sobre o meu corpo e acreditei que ficaria feliz quando o fizesse.”

Dando adeus à anorexia


Com 18 anos, as coisas finalmente começaram a mudar, foi quando Megan conheceu seu namorado Bem e o rapaz a apoiou durante toda essa luta com o peso. E, dois anos depois, aconteceu algo que foi fundamental para a jovem se recuperar, ela descobriu a hashtag “ body positive
” no Instagram e viu pela primeira vez viu mulheres amando seus corpos e não se importando com os “padrões” que impõe que ser magra é o “certo”.

“O dia em que tudo mudou para mim começou normal, segui minha rotina: pílulas dietéticas, um suco de couve e um treino cansativo. Bom, ai eu fui ver o Instagram para encontrar alguma inspiração fitness e, ao invés disso, encontrei algo que eu nunca tinha visto antes: uma foto de uma mulher usando biquíni, rindo e confiante. Ela estava abraçando partes de si mesma que eu passei a minha vida odiando”, comenta.

O choque foi grande e ela sentiu o impacto na hora. “Uma rachadura se abriu nos meus próprios alicerces e passei a acreditar em mim mesma, porque aqui estava uma mulher dizendo que era possível amar seu corpo do jeito que ele é. Isso me surpreendeu”. Inspirada, Megan foi à procura de mais mulheres como ela e rapidamente ela fez amizade com muitas outras garotas que pregam o amor próprio.

Chamadas de “Irmãs da pizza para a vida”, essas mulheres se desafiavam a cada semana publicar uma foto que teriam medo de postar. “Então, eu criei uma conta no Instagram, e postei fotos de mim mesma com meu kit de ginástica. Um troll comentou: ‘Você parecia melhor com um distúrbio alimentar’. Doeu, mas eu o bloqueei.”

Agora, quatro anos depois, a comunidade da qual Megan faz parte cresceu e ela passou a fazer sucesso na rede social, somando hoje mais de 1,1 milhão de seguidores. “Aprendi a amar meu corpo e usei meu Instagram para ajudar os outros a fazer o mesmo. Estou impressionada com os comentários adoráveis ​​que as pessoas me mandam – e eu aprendi a ignorar os trolls”.

A influenciadora digital gosta de passar mensagens positivas como estas para as pessoas:

  • Seu corpo permite que você experimente o mundo, faça memórias e sinta as coisas. Saiba que seu corpo é digno do seu amor;
  • Você não precisa gastar sua vida tentando perder peso. Você tem permissão para abraçar o corpo que tem e é digna do espaço que ocupa no mundo.
  • Todos os corpos, independentemente da forma, tamanho, cor, sexo, idade ou habilidade, merecem respeito;
  • Ninguém foi colocado na terra para fazer dieta ou atender uma beleza ideal. Use a energia que você economiza para viver seus sonhos.


Leia também: Publicitária fala sobre corpo e inspira: “Toda mulher real tem celulites”

“Foram meses no hospital com anorexia
, hoje ajudo mulheres a amarem seus corpos”, conclui Megan.

Comentários Facebook
Leia mais:  Fernanda Gentil é clicada com a namorada durante passeio no shopping
Advertisement

Política VG

Vereador/VG se “despede” de entidade; sai a Federal e mira votação histórica de Curvo

Published

on

Pré-candidato à Câmara Federal pelo PSB, o Vereador por Várzea Grande, Bruno Lins Rios se licenciou da UCMMAT (União das Câmaras de Mato Grosso), para alçar vôo  mais alto. Empossado na entidade em 2021, Rios terá pela frente dois adversários de peso no partido, sendo a primeira-dama de Rondonópolis, Neuma de Morais e o Deputado Estadual, Alan Kardec. O vereador poderá se engajar exclusivamente como representante de Várzea Grande, já que outro pretendente ao mesmo cargo, o Vereador Rogerinho Dakar (PSDB), vê sua sigla “derretendo”. A idéia de Bruno é “bombar” na cidade industrial, para isso vêm se cacifando financeiramente e logicamente formar dobradinhas, dentre as metas, uma delas é aproximar da histórica votação em 2006 do ex-vereador Chico Curvo, batendo 37 mil votos.

 

 

fonte Oempallador

Comentários Facebook
Leia mais:  Governo anuncia fim da taxa extra para voos internacionais; saiba o impacto
Continue Reading

Sem categoria

Datafolha: 55% dizem que não votam em Bolsonaro de jeito nenhum

Published

on


source
Datafolha: 55% dizem que não votam em Bolsonaro de jeito nenhum
Marcelo Camargo/Agência Brasil – 08.03.2022

Datafolha: 55% dizem que não votam em Bolsonaro de jeito nenhum

Dentre os pré-candidatos ao Palácio do Planalto,  o presidente Jair Bolsonaro é o que apresenta o maior índice de rejeição, aponta pesquisa Datafolha divulgada nesta quinta-feira: 55% dos entrevistados afirmam que não votariam nele de jeito nenhum. O desempenho é melhor que o apresentado na última pesquisa do instituto, quando essa porcentagem chegou a 60%. As duas pesquisas, contudo, não são diretamente comparáveis, já que houve mudanças na lista de candidatos.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) é quem ocupa a segunda colocação no ranking, com rejeição de 37%. Na sequência, vêm o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), com 30%; o ex-juiz Sergio Moro (Podemos), com 26%; e o ex-governador Ciro Gomes (PDT), que registrou 23% no índice.

Em um segundo bloco, com números menores, estão o governador do Rio Grande do Sul Eduardo Leite (PSDB), com 14%; Vera Lúcia (PSTU), que registrou 13% de rejeição; Simone Tebet (MDB) e Leonardo Péricles (UP), ambos com 12%; e Felipe D’Ávila (Novo), que marcou 11%.

Leia mais:  Governo de Mato Grosso entrega nova remessa de 900 títulos aos moradores do CPA

Leite, que perdeu nas prévias do PSDB para o governador João Doria, avalia um convite do PSD para concorrer à Presidência, além da possibilidade de concorrer pelo próprio PSDB no lugar de Doria — hipótese estimulada por aliados.

Leia Também

A baixa rejeição a nomes do segundo bloco, no entanto, passa também pelo grau de conhecimento desses pré-candidatos entre os eleitores. Lula é o mais conhecido pelos entrevistados: 99% disseram saber quem ele é. O presidente Jair Bolsonaro tem índice de 98%, enquanto 90% afirmaram conhecer Sergio Moro. Ciro Gomes tem 89% de conhecimento e Doria, 80%.

Dos entrevistados, 42% dizem conhecer o governador Eduardo Leite, 31% conhecem Vera Lúcia e 30%, Felipe D’Ávila. A senadora Simone Tebet registra índice de 28%, enquanto Leonardo Péricles tem 20% de conhecimento.

O Datafolha ouviu 2.556 eleitores em 181 municípios de todo o país entre terça e quarta-feira desta semana. A pesquisada foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o protocolo BR-08967/2022. O nível de confiança do levantamento – isto é, a probabilidade de que ele reproduza o cenário atual, considerando a margem de erro – é de 95%.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.

Comentários Facebook
Continue Reading

Parque Berneck – Várzea Grande

Política MT

Mato Grosso

Policial

Política Nacional

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana