Sem categoria

Desemprego sobe para 12% em janeiro e já atinge 12,7 milhões de brasileiros

Publicado em


Segundo dados divulgados pelo IBGE, mais de 318 mil pessoas perderam o emprego entre outubro de 2018 e janeiro deste ano
Camila Domingues/Palácio Piratini/Divulgação

Segundo dados divulgados pelo IBGE, mais de 318 mil pessoas perderam o emprego entre outubro de 2018 e janeiro deste ano


A taxa de desemprego no Brasil cresceu em janeiro. De acordo com dados divulgados nesta quarta-feira (27) na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 12,7 milhões de brasileiros estavam sem emprego no no trimestre entre novembro de 2018 e janeiro de 2019, o equivalente a 12% da população apta para trabalhar.

Esse é o maior número de desocupados registrado desde agosto do ano passado. O número também é mais alto quando comparado com a taxa de desemprego no Brasil
do mês imediatamente anterior (dezembro de 2018), que foi de 11,6%, resultando em 12,2 milhões de pessoas desempregadas
.

O aumento no número de brasileiros desempregados
é principalmente influenciado, em janeiro, pelo vim das vagas temporárias de trabalho, que normalmente surgem antes das festas de fim de ano. Segundo o coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE
, Cimar Azeredo, a sazonalidade é comum nesta época do ano. “Com a entrada do mês de janeiro, houve um aumento da taxa de desocupação. É algo sazonal, é comum a taxa aumentar nessa época do ano por causa da diminuição da ocupação”, explicou.

Leia mais:  Brasil abre o dia com bronze no Mundial de Atletismo Paralímpico

Apesar disso, o coordenador afirmou que este trimestre fechado em janeiro foi “menos favorável” que os mesmos períodos de 2018 e 2017. “Ano passado houve estabilidade na população ocupada e na desocupada, enquanto, neste ano, cresceu o número de desocupados”, declarou.

Leia também: Desemprego atinge maior nível dos últimos anos em metade das capitais do País

Em relação ao trimestre anterior, de agosto a outubro de 2018,  quando marcava 11,7%, a taxa de desemprego
aumentou 0,3 ponto percentual (p.p), o que significa um crescimento de 2,6% (mais de 318 mil pessoas) no número de desocupados. Já a população ocupada (92,5 milhões) caiu 0,4 p.p em relação ao trimestre anterior, o que significa uma diminução de 354 mil pessoas empregadas.

Com desemprego no Brasil em alta, cresce números de trabalhadores por contra própria


Aumento de desemprego no Brasil gerou maior número de trabalhadores por conta própria; apesar disso, número de pessoas sem carteira assinada caiu
Aaron Favila/Agência Pública

Aumento de desemprego no Brasil gerou maior número de trabalhadores por conta própria; apesar disso, número de pessoas sem carteira assinada caiu


O montante de trabalhadores por contra própria aumentou 1,2% (mais 291 mil pessoas) em relação ao último trimestre pesquisado, contendo, agora, 23,9 milhões de brasileiros. Em relação ao mesmo trimestre do ano anterior (novembro de 2017 a janeiro de 2018), a alta foi de 3,1% (719 mil pessoas a mais).

Leia mais:  O amor está no ar! Janaína e Herculano irão morar juntos em “Verão 90”

Leia também: Entenda cálculo e regras de transição propostas pelo governo na nova Previdência

Apesar do aumento da taxa de desemprego no Brasil
, o número de empregados com carteira assinada ficou estável, reunindo 32,9 milhões de pessoas. A quantidade de trabalhadores sem carteira diminuiu em 321 mil pessoas (-2,8%), resultando em 11,3 milhões de funcionários informais.

Comentários Facebook
Advertisement

Política VG

Vereador/VG se “despede” de entidade; sai a Federal e mira votação histórica de Curvo

Published

on

Pré-candidato à Câmara Federal pelo PSB, o Vereador por Várzea Grande, Bruno Lins Rios se licenciou da UCMMAT (União das Câmaras de Mato Grosso), para alçar vôo  mais alto. Empossado na entidade em 2021, Rios terá pela frente dois adversários de peso no partido, sendo a primeira-dama de Rondonópolis, Neuma de Morais e o Deputado Estadual, Alan Kardec. O vereador poderá se engajar exclusivamente como representante de Várzea Grande, já que outro pretendente ao mesmo cargo, o Vereador Rogerinho Dakar (PSDB), vê sua sigla “derretendo”. A idéia de Bruno é “bombar” na cidade industrial, para isso vêm se cacifando financeiramente e logicamente formar dobradinhas, dentre as metas, uma delas é aproximar da histórica votação em 2006 do ex-vereador Chico Curvo, batendo 37 mil votos.

 

 

fonte Oempallador

Comentários Facebook
Leia mais:  Carnaval sem fim! Festa continua por todo Brasil com Anitta e Claudia Leitte
Continue Reading

Sem categoria

Datafolha: 55% dizem que não votam em Bolsonaro de jeito nenhum

Published

on


source
Datafolha: 55% dizem que não votam em Bolsonaro de jeito nenhum
Marcelo Camargo/Agência Brasil – 08.03.2022

Datafolha: 55% dizem que não votam em Bolsonaro de jeito nenhum

Dentre os pré-candidatos ao Palácio do Planalto,  o presidente Jair Bolsonaro é o que apresenta o maior índice de rejeição, aponta pesquisa Datafolha divulgada nesta quinta-feira: 55% dos entrevistados afirmam que não votariam nele de jeito nenhum. O desempenho é melhor que o apresentado na última pesquisa do instituto, quando essa porcentagem chegou a 60%. As duas pesquisas, contudo, não são diretamente comparáveis, já que houve mudanças na lista de candidatos.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) é quem ocupa a segunda colocação no ranking, com rejeição de 37%. Na sequência, vêm o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), com 30%; o ex-juiz Sergio Moro (Podemos), com 26%; e o ex-governador Ciro Gomes (PDT), que registrou 23% no índice.

Em um segundo bloco, com números menores, estão o governador do Rio Grande do Sul Eduardo Leite (PSDB), com 14%; Vera Lúcia (PSTU), que registrou 13% de rejeição; Simone Tebet (MDB) e Leonardo Péricles (UP), ambos com 12%; e Felipe D’Ávila (Novo), que marcou 11%.

Leia mais:  Bolsonaro diz que liberação de R$ 500 do FGTS dará ‘pequeno ânimo à economia’

Leite, que perdeu nas prévias do PSDB para o governador João Doria, avalia um convite do PSD para concorrer à Presidência, além da possibilidade de concorrer pelo próprio PSDB no lugar de Doria — hipótese estimulada por aliados.

Leia Também

A baixa rejeição a nomes do segundo bloco, no entanto, passa também pelo grau de conhecimento desses pré-candidatos entre os eleitores. Lula é o mais conhecido pelos entrevistados: 99% disseram saber quem ele é. O presidente Jair Bolsonaro tem índice de 98%, enquanto 90% afirmaram conhecer Sergio Moro. Ciro Gomes tem 89% de conhecimento e Doria, 80%.

Dos entrevistados, 42% dizem conhecer o governador Eduardo Leite, 31% conhecem Vera Lúcia e 30%, Felipe D’Ávila. A senadora Simone Tebet registra índice de 28%, enquanto Leonardo Péricles tem 20% de conhecimento.

O Datafolha ouviu 2.556 eleitores em 181 municípios de todo o país entre terça e quarta-feira desta semana. A pesquisada foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o protocolo BR-08967/2022. O nível de confiança do levantamento – isto é, a probabilidade de que ele reproduza o cenário atual, considerando a margem de erro – é de 95%.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.

Comentários Facebook
Continue Reading

Parque Berneck – Várzea Grande

Política MT

Mato Grosso

Policial

Política Nacional

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana