Sem categoria

Bolsonaro e Guedes dão posse a Roberto Campos Neto, novo presidente do BC

Publicado em


Bolsonaro e Paulo Guedes deram posse a Roberto Campos Neto, novo presidente do Banco Central
Marcos Corrêa/PR

Bolsonaro e Paulo Guedes deram posse a Roberto Campos Neto, novo presidente do Banco Central

O presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), deu posse a Roberto Campos Neto, novo presidente do Banco Central (BC), que foi sabatinado e aprovado pelo Senado Federal nesta terça-feira (26)
. Também participou do evento nesta quinta-feira (28) o ministro da Economia, Paulo Guedes, quem indicou o nome ao posto.

Fechada à imprensa, a assinatura do termo de posse ocorreu no Palácio do Planalto, em Brasília. Roberto Campos Neto, como presidente do Banco Central
, tem status de ministro, e substituirá Ilan Goldfajn, líder da instituição durante o governo do ex-presidente Michel Temer (MDB). Segundo o BC, a transmissão do cargo será realizada após o feriado de carnaval.

Antes de ser aprovado pela Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) e pelo plenário, o economista foi sabatinado por senadores. Na oportunidade, ele defendeu a redução do tamanho do Estado brasileiro, a autonomia do Banco Central
e avaliou o sistema bancário do País, comparando-o com o de outros países e concluindo que, no Brasil, não há mais concentração do que em outras economias desenvolvidas.

Aprovado por unanimidade no CAE, Campos Neto também teve 55 votos favoráveis no plenário, sendo somente seis contrários e apenas uma abstenção. Liberal economicamente, falou em seu discurso inicial ao Senado que é “hora de fazer mais com menos recursos”.

Leia mais:  Detran-MT disponibiliza mais de 20 serviços de forma online; saiba quais

“É necessário eficiência, transparência, prestação de contas e mensuração de impacto quanto ao uso de recursos públicos. E, talvez mais importante que isso, é necessário que o Estado abra espaço para a atividade privada, saindo de cena, ou reduzindo drasticamente sua atuação, em diversas áreas”, disse.

Leia também: PIB brasileiro cresce 1,1% em 2018 e revela recuperação lenta; entenda

O Banco Central tem como algumas de suas atribuições fiscalizar e autorizar o funcionamento de instituições financeiras, estabelecer as condições para o exercício de quaisquer cargos de direção nas instituições financeiras no País, vigiar a interferência de outras empresas nos mercados financeiros e de capitais e cuidar da política cambial, por meio de intervenções no mercado. Campos Neto é defensor de um estado reduzido, e, portanto, pouco interventor.

Quem é o novo presidente do Banco Central


Campos Neto, presidente do Banco Central, é economista e formado na Califórnia
Pedro França/Agência Senado – 26.2.19

Campos Neto, presidente do Banco Central, é economista e formado na Califórnia

Neto do também economista Roberto Campos, que foi um dos grandes expoentes do pensamento liberal no Brasil e ocupou, entre outros cargos, o Ministério do Planejamento e Coordenação Econômica no governo de Castelo Branco, durante a ditadura militar, o novo mandatário do BC cita o avô e fala em entender a nova realidade econômica brasileira, mas preservando o caráter liberal de sua família, que o acompanha.

Leia mais:  HBO GO faz seleção temática de episódios de “Game of Thrones” antes do 8º ano

Roberto Campos Neto
foi indicado para a presidência do BC por Paulo Guedes
 em novembro do ano passado, após a vitória de Bolsonaro no pleito presidencial. Antes mesmo de ter seu nome aprovado, ele já havia participado da posse de Bolsonaro, em 1º de janeiro, e das reuniões com ministros do conselho de governo.

Formado em Economia pela Universidade da Califórnia, com especialização em Economia com ênfase em Finanças, também pela Universidade da Califórnia, em Los Angeles, Campos Neto tem 49 anos e trabalhou no Banco Bozano Simonsen de 1996 a 1999, onde ocupou os cargos de Operador de Derivativos de Juros e Câmbio (1996), Operador de Dívida Externa (1997), Operador da área de Bolsa de Valores (1998) e Executivo da Área de Renda Fixa Internacional (1999).

O novo presidente do Banco Central
 construiu sua carreira como operador financeiro e estava no Santander Brasil antes de aceitar o convite de assumir a instituição.

Comentários Facebook
Advertisement

Política VG

Vereador/VG se “despede” de entidade; sai a Federal e mira votação histórica de Curvo

Published

on

Pré-candidato à Câmara Federal pelo PSB, o Vereador por Várzea Grande, Bruno Lins Rios se licenciou da UCMMAT (União das Câmaras de Mato Grosso), para alçar vôo  mais alto. Empossado na entidade em 2021, Rios terá pela frente dois adversários de peso no partido, sendo a primeira-dama de Rondonópolis, Neuma de Morais e o Deputado Estadual, Alan Kardec. O vereador poderá se engajar exclusivamente como representante de Várzea Grande, já que outro pretendente ao mesmo cargo, o Vereador Rogerinho Dakar (PSDB), vê sua sigla “derretendo”. A idéia de Bruno é “bombar” na cidade industrial, para isso vêm se cacifando financeiramente e logicamente formar dobradinhas, dentre as metas, uma delas é aproximar da histórica votação em 2006 do ex-vereador Chico Curvo, batendo 37 mil votos.

 

 

fonte Oempallador

Comentários Facebook
Leia mais:  Detran-MT disponibiliza mais de 20 serviços de forma online; saiba quais
Continue Reading

Sem categoria

Datafolha: 55% dizem que não votam em Bolsonaro de jeito nenhum

Published

on


source
Datafolha: 55% dizem que não votam em Bolsonaro de jeito nenhum
Marcelo Camargo/Agência Brasil – 08.03.2022

Datafolha: 55% dizem que não votam em Bolsonaro de jeito nenhum

Dentre os pré-candidatos ao Palácio do Planalto,  o presidente Jair Bolsonaro é o que apresenta o maior índice de rejeição, aponta pesquisa Datafolha divulgada nesta quinta-feira: 55% dos entrevistados afirmam que não votariam nele de jeito nenhum. O desempenho é melhor que o apresentado na última pesquisa do instituto, quando essa porcentagem chegou a 60%. As duas pesquisas, contudo, não são diretamente comparáveis, já que houve mudanças na lista de candidatos.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) é quem ocupa a segunda colocação no ranking, com rejeição de 37%. Na sequência, vêm o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), com 30%; o ex-juiz Sergio Moro (Podemos), com 26%; e o ex-governador Ciro Gomes (PDT), que registrou 23% no índice.

Em um segundo bloco, com números menores, estão o governador do Rio Grande do Sul Eduardo Leite (PSDB), com 14%; Vera Lúcia (PSTU), que registrou 13% de rejeição; Simone Tebet (MDB) e Leonardo Péricles (UP), ambos com 12%; e Felipe D’Ávila (Novo), que marcou 11%.

Leia mais:  Vídeo: Kate Middleton se irrita com William durante especial de Natal

Leite, que perdeu nas prévias do PSDB para o governador João Doria, avalia um convite do PSD para concorrer à Presidência, além da possibilidade de concorrer pelo próprio PSDB no lugar de Doria — hipótese estimulada por aliados.

Leia Também

A baixa rejeição a nomes do segundo bloco, no entanto, passa também pelo grau de conhecimento desses pré-candidatos entre os eleitores. Lula é o mais conhecido pelos entrevistados: 99% disseram saber quem ele é. O presidente Jair Bolsonaro tem índice de 98%, enquanto 90% afirmaram conhecer Sergio Moro. Ciro Gomes tem 89% de conhecimento e Doria, 80%.

Dos entrevistados, 42% dizem conhecer o governador Eduardo Leite, 31% conhecem Vera Lúcia e 30%, Felipe D’Ávila. A senadora Simone Tebet registra índice de 28%, enquanto Leonardo Péricles tem 20% de conhecimento.

O Datafolha ouviu 2.556 eleitores em 181 municípios de todo o país entre terça e quarta-feira desta semana. A pesquisada foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o protocolo BR-08967/2022. O nível de confiança do levantamento – isto é, a probabilidade de que ele reproduza o cenário atual, considerando a margem de erro – é de 95%.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.

Comentários Facebook
Continue Reading

Parque Berneck – Várzea Grande

Política MT

Mato Grosso

Policial

Política Nacional

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana